Comissões

Aquecimento Global é tema de segundo debate na CMA e CRE

03:40Aquecimento Global é tema de segundo debate na CMA e CRE

Transcrição LOC: NESTA QUINTA-FEIRA, AS COMISSÕES DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE MEIO AMBIENTE PROMOVERAM A SEGUNDA AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS. LOC: DESTA VEZ, OS ESPECIALISTAS AFIRMARAM QUE O AQUECIMENTO GLOBAL É IRREFUTÁVEL, MAS AINDA TEM SOLUÇÃO. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA TÉC: Os especialistas foram categóricos ao afirmar que o homem é o principal responsável pelo aumento da temperatura global, ao contrário do que defenderam os convidados da primeira audiência pública sobre mudanças climáticas realizada em conjunto pelas Comissões de Meio Ambiente e Relações Exteriores. Questionado sobre as principais falhas do discurso negacionista, o pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, Carlos Nobre, disse que eles costumam estar ligados a grandes grupos econômicos, como a indústria fóssil nos Estados Unidos e a agropecuária no Brasil. (Nobre – 18”): No Brasil há poucos negacionistas, mas existem, e estes estão ligados não com o interesse fóssil, a companhia petrolífera brasileira já há muito tempo ela teve uma postura bem diferente das norte-americanas, mas é ligado ao interesse da contínua expansão da fronteira agrícola. (REP) O professor do Instituto de Física da USP, Paulo Artaxo, afirmou que há solução para o problema, mas é preciso promover uma grande transformação política, social e econômica. (Paulo): Vão desde mudanças no setor de transporte, mudanças no setor de produção de energia, principalmente nos países desenvolvidos que ainda dependem de carvão, petróleo e gás natural. Nós vamos ter que diminuir as emissões de gases de efeito estufa, em particular o metano, do setor agrícola.” E mudanças comportamentais, então por exemplo, é sustentar uma cidade que nem São Paulo ter 7 milhões de automóveis? (REP) Artaxo também defendeu que o Brasil terá um papel fundamental a partir de 2050, quando será preciso remover gases de efeito estufa da atmosfera. Esse processo, conhecido como sequestro de CO², é naturalmente realizado pelas florestas durante a fase de crescimento das árvores. Atualmente, existe um fundo patrocinado pela Noruega e pela Alemanha que custeia ações de redução de emissões na Amazônia. O senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá, teme que o dinheiro, que já soma um bilhão e 800 milhões de reais, não seja empregado de forma eficiente pelo Governo. (Randolfe): O governo brasileiro, no meu entender, em uma clara violência ao fundo Amazônia, aos princípios que o redigiriam e contribuição dessas Nações propõe a utilização do fundo Amazônia para indenização de proprietários rurais. Proprietários que desmataram e que grilaram terras notadamente na Amazônia. (REP): Segundo os especialistas, a maior parte das emissões de gases de efeito estufa no Brasil vem da agricultura, por causa da remoção da vegetação natural. Sobre as justificativas usadas para o desmatamento, de que teria a capacidade de geração de emprego e renda, a bióloga e professora da Universidade de Brasília, Mercedes Bustamante, afirmou que diversas pesquisas já comprovam se tratar de uma falsa relação. (Mercedes): Na verdade, a gente distribui a riqueza de um património que é comum a todos os brasileiros e concentra na mão de alguns poucos grupos políticos e econômicos. Tem hoje um levantamento muito completo para os municípios do Cerrado para mostrar que olhando o IDH Municipal e olhando o índice de Gini desigualdade que a conversão do Cerrado para plantio e para a pecuária não trouxe riqueza para os municípios. Aqueles municípios que já eram ricos continuam ricos e os que eram pobres continuam pobres e a desigualdade aumentou. (REP) Segundo os cientistas, a previsão é que a temperatura global suba entre 5 e 6 graus até o final do século. Ainda que todas as metas do Acordo de Paris sejam cumpridas, haverá um aumento médio de 2,7 graus no mundo. Da Rádio Senado, Marcella Cunha

As Comissões de Meio Ambiente e Relações Exteriores realizaram a nesta quinta-feira (30) a segunda audiência pública conjunta sobre mudanças climáticas. Os especialistas afirmaram que há solução para o aquecimento global e que o Brasil terá um papel fundamental a partir de 2050 no processo de retirada de Gás Carbônico da atmosfera através do reflorestamento da Floresta Amazônica. Sobre o assunto, o senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP), demonstrou preocupação com o uso do Fundo da Amazônia.  A reportagem é de Marcella Cunha

TÓPICOS:
Agricultura  Alemanha  Amapá  Amazônia  Automóveis  Brasília  CMA  Comissões  CRE  Desmatamento  Efeito estufa  Emprego  Energia  Estados  Estados Unidos  Floresta Amazônica  Gás carbônico  Indústria  Meio Ambiente  Mudanças Climáticas  Municípios  Pecuária  Petróleo  Política  Rede  Rede Sustentabilidade  Relações Exteriores  São Paulo  Senador Randolfe Rodrigues  Sustentabilidade  Universidade de Brasília  Violência 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo