Economia

Aliados responsabilizam deputados pela paralisia da agenda econômica

02:02Aliados responsabilizam deputados pela paralisia da agenda econômica

Transcrição LOC: ALIADOS DE TEMER NÃO ACREDITAM NA VOTAÇÃO DE UMA AGENDA ECONÔMICA, AO CITAREM PARALISIA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS. LOC: OPOSIÇÃO DESTACA QUE O PALÁCIO DO PLANALTO SEQUER TEM BASE ALIADA PARA TOCAR UMA PAUTA MÍNIMA. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN TÉC: Ao desistir da votação da Reforma da Previdência no primeiro semestre, o presidente Michel Temer enviou em fevereiro ao Congresso Nacional uma pauta com 15 propostas na área econômica. A maioria já estava em discussão na Câmara dos Deputados ou no Senado. Entre elas, a reoneração da folha de pagamento e a privatização da Eletrobras. A líder do PMDB, senadora Simone Tebet, de Mato Grosso do Sul, afirmou que o Senado tem aprovado projetos na área da microeconomia e da segurança pública. Mas ponderou que os deputados ainda não votaram as prioridades do Palácio do Planalto. (Simone Tebet) O grande impasse está e o problema está é que muitos projetos relevantes e importantes, que estão na Câmara dos Deputados, ainda não vieram para o Senado. Então, temos que aguardar a Câmara dos Deputados legislar para que o Senado, Casa revisora, possa fazer a sua parte. (Repórter) O líder da minoria, senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, afirmou que a oposição está disposta a votar alguns itens da pauta econômica. Alertou, no entanto, que falta articulação da própria base aliada de Temer. (Humberto Costa) Dificilmente, o governo vai conseguir aprovar qualquer tema que seja minimamente polêmico aqui no Congresso Nacional. Temer está profundamente fragilizado. Mesmo a sua base de sustentação com a aproximação da eleição vai cada vez mais minguando. Daí por que aquela agenda está condenada ao arquivo. (Repórter) Já o senador Cássio Cunha Lima, do PSDB da Paraíba, admitiu que o troca-troca partidário esvaziou o Congresso nas últimas semanas. Mas reconheceu que a baixa popularidade de Temer poderá dificultar a votação da agenda econômica. (Cássio Cunha Lima) É decorrência também de toda essa instabilidade que o Brasil vive e das dificuldades que o próprio governo enfrenta. Eu particularmente não acredito que teremos uma agenda muito intensa nos próximos meses. O Brasil fica agora em compasso de espera para as eleições. (Repórter) Ainda na pauta econômica estão o fim do Fundo Soberano e a autonomia do Banco Central. Da RS, HC.

Ao destacar que o Senado aprovou projetos de segurança pública e da microeconomia, a líder do PMDB, senadora Simone Tebet (MS), argumentou que a agenda econômica do presidente Michel Temer está parada na Câmara dos Deputados. O líder da minoria, senador Humberto Costa (PT-PE), destacou que a oposição está disposta a votar projetos prioritários do Palácio do Planalto. Mas ponderou que a baixa popularidade de Temer repercute dentro da própria base aliada, que não toca a agenda prioritária. Já o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) avalia que nada mais importante deve ser votado até as eleições, quando o cenário político estará definido.

TÓPICOS:
Banco Central  Câmara dos Deputados  Congresso Nacional  Economia  Eleições  Eletrobras  Mato Grosso  Mato Grosso do Sul  Michel Temer  Oposição  Paraíba  Pernambuco  PMDB  Previdência  Privatização  PSDB  PT  Reforma da Previdência  Segurança  Segurança Pública  Senadora Simone Tebet  Senador Cássio Cunha Lima  Senador Humberto Costa 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11