CAE aprova Fernanda Nechio para diretoria do BC. Indicação vai a Plenário

Rodrigo Baptista | 02/07/2019, 13h14

Por unanimidade, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou nesta terça-feira (2) o nome da economista Fernanda Feitosa Nechio, indicada para exercer cargo de diretora de Assuntos Internacionais e Riscos Corporativos no Banco Central do Brasil (BC). A mensagem da Presidência da República com a indicação (MSF 29/2019) segue com urgência para votação no Plenário.

Fernanda Nechio tem mestrado e doutorado em economia. Foi professora da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro e da Universidade de Berkeley, na Califórnia (EUA). Desde 2009, trabalha no Federal Reserve Bank, o Fed, banco central dos Estados Unidos, onde atualmente é consultora. É autora de várias publicações internacionais sobre política monetária e temas de interesse do Banco Central.

Durante a sabatina, Fernanda Nechio respondeu questionamentos de senadores, comentando, por exemplo, a possibilidade de introdução do chamado “duplo mandato” para o BC.

Atualmente, o BC tem um “mandato simples”, ou seja, o cumprimento das metas de inflação está acima de outros objetivos. Outros bancos centrais espalhados pelo mundo, como o Fed, possuem mandatos duplos, onde a manutenção do emprego e renda da população é outro objetivo da atuação do órgão. Para a economista, é arriscado promover essa mudança de atribuições do BC:

— Pode ser um movimento arriscado e gerar incertezas quanto à condução da política monetária — avaliou Fernanda em resposta uma pergunta do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Crescimento

A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) perguntou a razão da demora na retomada do crescimento do país e quis saber a opinião da indicada sobre os efeitos da reforma da Previdência na economia. Em resposta, Fernanda Nechio avaliou que a reforma da Previdência e a aprovação de outras propostas liberalizantes ajudam a melhorar a expectativa de crescimento e “diminuir incertezas”.

— Os efeitos podem não ser imediatos em si, mas as mudanças sobre a percepção do país afetam decisões de investimento, o que afeta a economia e possíveis ganhos e expectativas de crescimento — respondeu.

OCDE

O relator da indicação, senador Irajá (PSD-TO), destacou que o currículo da candidata revela o alto nível de qualificação profissional, bem como sua formação acadêmica e técnica. Durante a sabatina, o senador quis saber de Fernanda Nechio sobre os impactos do possível ingresso do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em fevereiro, os Estados Unidos anunciaram que apoiariam a entrada do Brasil na OCDE, mas, em troca, o governo brasileiro deveria abrir mão do status especial que recebe na Organização Mundial do Comércio (OMC). Na avaliação da indicada para o BC, o ingresso na OCDE é positivo para o Brasil.

— O custo da entrada na OCDE é bastante baixo diante dos benefícios. Pode gerar no futuro a redução de risco-país; abre um leque de investimentos. Investidores internacionais prestarão mais atenção ao país — analisou.

A indicada também classificou como “positiva” para o mercado a notícia do acordo entre Mercosul e União Europeia que estabelece regras para facilitar a exportação e a importação de produtos entre os países membros. Ela ressaltou, contudo, que os detalhes ainda estão sendo divulgados.

Spread bancário

Os altos spreads bancários, os elevados lucros dos bancos e taxas de juros praticadas no cheque especial, no cartão de crédito e nos empréstimos também foram alvo de questionamentos dos senadores. Spread é a diferença entre a remuneração que o banco paga ao cliente para captar um recurso e o quanto esse banco cobra para emprestar o mesmo dinheiro. O presidente da CAE, Omar Aziz (PSD-AM) e Rogério Carvalho (PT-SE) foram alguns dos senadores que perguntaram a opinião de Fernando sobre esses temas. Segundo ela, o Banco Central desde a gestão do ex-presidente Ilan Goldfajn tem se empenhado em enfrentar o spread.

— O Banco Central tem atuado na questão do spread bancário de forma muito forte desde a gestão anterior, de Ilan Goldfajn, e agora com Roberto Campos Neto. O objetivo é a redução do spread e a democratização do acesso ao crédito — defendeu.

IFI

Na mesma reunião, foi lido o relatório do senador Eduardo Braga (MDB-AM) à indicação de Josué Alfredo Pellegrini ao cargo de diretor na Instituição Fiscal Independente (IFI). Criada no final de 2016 pelo Senado, a instituição busca ampliar a transparência nas contas públicas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
20h27 Transporte exclusivo para cuidadores: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.178/2020, que prevê transporte exclusivo para cuidadores de pessoas com deficiência, de portadores de doenças raras e de idosos durante a pandemia. A matéria segue para a Câmara.
19h57 Dívidas rurais: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 1.543/2020, que prorroga o vencimento de dívidas rurais de agricultores familiares. A matéria segue para a Câmara.
17h53 Cessão de leitos para o SUS: O Plenário aprovou substitutivo ao Projeto de Lei 2.324/2020, que obriga hospitais privados a ceder leitos desocupados para tratar pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com a covid-19. A matéria segue para a Câmara.
Ver todas ›