Senadores destacam atuação de Eunício pelo diálogo

Da Redação | 19/12/2018, 17h21 - ATUALIZADO EM 19/12/2018, 20h29

O discurso de despedida do presidente do Senado, Eunício Oliveira, repercutiu no Plenário. Por quase duas horas, 24 parlamentares de diferentes partidos se revezaram para destacar sua atuação no comando da Casa. O senador Paulo Rocha (PT-PA) disse que Eunício Oliveira assumiu a presidência da Casa “em um momento de quase rompimento da democracia” e conseguiu dirigir o Senado “com altivez e independência”.

— É preciso reconhecer seu papel de defender a independência e a harmonia entre os Poderes. A bancada do PT reconhece isso, inclusive nos conflitos de ideias em momentos muito importantes, como na época da reforma trabalhista, em que houve uma tensão maior. Vossa Excelência soube tratar isso com a posição firme de presidente, mas respeitando as várias posições políticas e ideológicas — afirmou.

Para o senador José Agripino (DEM-RN), Eunício Oliveira demonstrou “liderança, afirmação e diálogo” em um momento de tensão, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

— Talvez o fato mais importante da presença de Vossa Excelência como presidente do Senado tenha sido o de possibilitar que as forças políticas tivessem um mínimo de entendimento, para que acontecesse o que aconteceu: a reforma trabalhista e tantas outras matérias importantes ao Brasil. Para o governo pudesse funcionar e fazer aquilo que o brasileiro esperava — disse.

A líder do MDB, senadora Simone Tebet (MS), lembrou que o presidente do Senado teve “um papel decisivo” na conduta dela como parlamentar.

— Não posso me esquecer nunca do primeiro e talvez mais importante conselho que tenha tido nesta Casa. Assim que eu assumi a liderança desta que é a maior bancada do Senado, Vossa Excelência me disse assim: “Não se esqueça, Simone, que o líder é antes de tudo um liderado”. E eu não me esqueci — afirmou.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Eunício Oliveira faz jus à memória de Rui Barbosa. Considerado o Patrono do Senado, político baiano tem o busto no Plenário.

— Vossa Excelência conduziu esta Casa e essa Presidência não pelo varejo da rotina, não pela fisiologia do cotidiano. Mas pela necessidade que se tinha de se portar como líder. Vossa Excelência fez jus à sucessão da cadeira de Ruy Barbosa quando, dirigindo o Congresso e o Senado, construiu a mediação necessária em um momento crítico da vida nacional — disse.

Pauta feminina

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) destacou a atuação do presidente na condução da pauta feminina. Ela elogiou ainda a relação de Eunício Oliveira com o colégio de líderes.

— Toda a pauta que Vossa Excelência colocou em votação no Plenário foi previamente acertada com as lideranças partidárias. Sou testemunha de que, quando a matéria era polêmica e poderia trazer problemas para o país e a democracia brasileira, Vossa Excelência era o primeiro a ter a sensibilidade de não a colocar na pauta — afirmou.

A senadora Rose de Freitas (Pode-ES) ressaltou “o companheirismo” de Eunício Oliveira com a luta das mulheres e das minorias “menos afagadas pelo Poder”.

— Vossa Excelência destacou as políticas de proteção à maternidade, à infância, à família e ao idoso. Cuidou muito bem das questões sociais. Fez política com gosto de fazer, de dialogar, de discutir, de colocar as suas questões e de se contrapor às nossas, sempre com o mesmo sentimento: igualdade, em primeiro lugar — disse.

Também comentaram o pronunciamento de Eunício Oliveira os seguintes senadores: Ana Amélia (PP-RS), Antonio Anastasia (PSDB-MG), Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), Cassio Cunha Lima (PSDB-PB), Dário Berger (MDB-SC), Edison Lobão (MDB-MA), Eduardo Lopes (PRB-RJ), Guaracy Silveira (PSL-TO), Hélio José (Pros-DF), Humberto Costa (PT-PE), Jorge Viana (PT-AC), Lúcia Vânia (PSB-GO), Otto Alencar (PSD-BA), Paulo Bauer (PSDB-SC), Reguffe (sem partido-DF), Romero Jucá (MDB-RR), Waldemir Moka (MDB-MS) e Walter Pinheiro (sem partido-BA).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)