Valadares lamenta aumento da desigualdade social no Brasil

Da Redação | 13/12/2018, 11h26 - ATUALIZADO EM 13/12/2018, 12h25

Para o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) não se pode falar em nação soberana enquanto a maioria do povo brasileiro estiver numa "vergonhosa situação de exclusão". Em discurso no Plenário nesta quinta-feira (13), o representante do Sergipe disse que o Brasil vive uma tragédia com o crescimento da desigualdade social, uma discrepância inadmissível.

O parlamentar lembrou que 54,8 milhões de brasileiros precisam sustentar a si e a família com R$ 406 reais por mês, menos de R$ 13 por dia. Isso significa que um a cada quatro brasileiros vive na pobreza, e o rendimento dos 10% mais ricos segue aumentando, acrescentou Valadares.

O senador afirmou que a saída passa pela promoção da justiça tributária, pois o modelo atual tem grande influência na desigualdade. Ele defendeu a simplificação e a desburocratização do sistema.

— O modelo deve ser estruturado conforme o principio de justiça fiscal, da capacidade contributiva. O atual modelo perpetua a concentração de renda. O povo está farto de arcar com uma elevada carga tributária, sem a contrapartida em serviços de qualidade. Está farto de trabalhar quatro meses para pagar impostos, sabendo que os mais ricos contribuem muito pouco. É só ver o exemplo dos grandes executivos, sócios e acionistas de empresas. Estão livres de pagar impostos sobre lucros e dividendos recebidos, algo que, por sinal, só existe no Brasil e na Estônia — afirmou.

Na opinião de Valadares, diante dessa realidade perversa, esperava uma declaração firme do presidente eleito, de compromisso prioritário com esses desvalidos.

— Esperamos que o futuro governo, que até agora não anunciou qualquer reforma tribuária consistente, mude de opinião e se preocupe com o futuro do país por meio de uma distribuição de renda mais justa — concluiu.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)