Telmário Mota critica sacrifício de galos de rinha sob pretexto de defender os animais

Da Redação | 05/12/2018, 17h06 - ATUALIZADO EM 05/12/2018, 19h16

O senador Telmário Mota (PTB-RR) criticou nesta quarta-feira (5) em Plenário a decisão da juíza Flávia Catarina Amorim, da Vara Especializada de Meio Ambiente de Cuiabá, de sacrificar galos — as chamadas "aves combatentes" — apreendidos pelo Batalhão Ambiental da Polícia Militar por supostos maus-tratos. Segundo o senador, os animais estavam em instalações adequadas, controladas e saudáveis, sendo alimentados com dieta balanceada. Para ele, não se pode inferir que todos os criadores de aves combatentes sejam organizadores de rinhas de galo.

— Que lógica é essa de fundamentar uma decisão judicial determinando a morte de um ser vivo saudável com a justificativa de que o está livrando de maus-tratos? Qual a lógica? — disse o senador.

Para Telmário, a magistrada desrespeitou tratados de proteção ao meio ambiente dos quais o Brasil é signatário, além de ter agido de forma preconceituosa. O senador disse que o caso em Mato Grosso não foi o único onde criadores foram prejudicados.

— Reitero que esse não é um caso isolado, mas, sim, mais um episódio lamentável do que as autoridades têm feito com os animais e com os criadores. Estão promovendo uma verdadeira caça aos criadores e um genocídio animal contra uma espécie que deveria ser protegida, em vez de exterminada — afirmou o senador.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)