Reforma trabalhista dribla a Constituição, afirma Vanessa Grazziotin

Da Redação | 06/11/2018, 16h46 - ATUALIZADO EM 06/11/2018, 16h49

Durante pronunciamento nesta terça-feira (6), a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) declarou que manobras políticas têm comprometido as garantias previstas pela Constituição brasileira de 1988. Por isso, é necessário defendê-la.

A parlamentar exemplificou sua preocupação citando as novas relações de trabalho, previstas na Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017). Na opinião da senadora, quando a nova lei prevê a não obrigatoriedade de pagamento do salário mínimo à trabalhadores contratados em regime intermitente, ela fere o art. 7° da Constituição, que garante o salário mínimo como direito de todos.

— O que fizeram foi driblar a Constituição, para legalizar novas formas de contrato de trabalho, e retirar cada um dos direitos previstos na Constituição aos trabalhadores brasileiros — julgou.

A senadora manifestou ainda preocupação quanto à nova gestão do Poder Executivo. Para Grazziotin, o novo ministro da área econômica, Paulo Guedes, anunciado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, pode prejudicar o modelo Zona Franca, no estado do Amazonas, caso cumpra com suas promessas de abertura de mercado.

— Um ministro que fala em uma abertura radical de mercado, que fala na redução dos subsídios às indústrias, que fala no fim dos incentivos fiscais, como incentivos de impostos de importação, de impostos de produtos industrializados e tantos outros, para nós é um ataque frontal — disse.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
15h53 Reforma tributária: Os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, assinaram há pouco a criação da comissão mista que irá analisar as propostas de reforma tributária. Participarão do colegiado 25 senadores e 25 deputados.
15h26 Contrato Verde e Amarelo: A Medida Provisória 905/2019, que criou o Contrato Verde Amarelo, recebeu mais de 1.900 emendas. O relator da MP, deputado Christino Aureo (PP-RJ) acatou 476. O relatório foi lido há pouco pela comissão mista que analisa a MP.
14h37 Dívidas tributárias: A comissão mista aprovou o relatório para a MP 899/2019, que permite a renegociação de dívidas tributárias com a União e regulamenta a transação tributária. A MP segue para os plenários da Câmara e do Senado.
Ver todas ›