Ana Amélia critica empresas estatais deficitárias

Da Redação e Da Rádio Senado | 30/10/2018, 16h06 - ATUALIZADO EM 30/10/2018, 16h43

A senadora Ana Amélia (PP_RS) destacou a crise fiscal por que passam a União, os estados e os municípios, citando o pedido feito por prefeitos de R$ 28 bilhões ao presidente eleito Jair Bolsonaro como exemplo. Nesse contexto, ela criticou o grande número de estatais do país, que foi elevado somente entre 2003 e 2015 pela criação de 41 novas empresas pelo governo.

Segundo ela, estudo da Secretaria do Tesouro da União apontou que R$ 15 bilhões foram gastos com o custeio de empresas que não geram receitas nem para cobrir suas despesas operacionais. O valor representa mais que o dobro do que foi gasto em 2012 (R$ 6 bilhões).

— Dos quase R$ 15 bilhões do que foi gasto no ano passado se deu por subvenção como são chamadas as despesas de custeio com salários dos empregados dessas estatais, cuja indicação de seus comandos é sempre de caráter político. Isso significa que essas empresas não produzem receita nem sequer pra bancar as suas próprias atividades operacionais. Ora, nessa hora de escassez de recursos isso é preciso ter em mente o que é a preocupação porque esse valor tem crescido nos últimos anos e é mais que o dobro do que foi gasto com este mesmo fim em 2012, que foi R$ 6 bilhões.

A senadora Ana Amélia citou, no entanto, empresas que precisam ser preservadas, como a Embrapa, que, segundo Ana Amélia, gera inovação tecnológica e é uma referência na agricultura.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)