Marcos Rogério defenderá a família e o direito à propriedade

Da Redação | 18/10/2018, 15h35 - ATUALIZADO EM 19/10/2018, 15h56

Selo_Eleições_2018Marcos Rogério (DEM) foi eleito senador pelo estado de Rondônia com mais de 320 mil votos — número que representa mais de 24% do total — e promete defender os valores fundamentais da família e da sociedade brasileira, além do direito à propriedade.

O futuro senador também disse que pautará sua atuação na defesa de várias reformas, como a penal e a tributária. Para ele, é muito importante também que o Congresso discuta a reforma do Estado, diminuindo o tamanho dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Ele acrescenta que quer trabalhar por grandes transformações, conectado com os interesses do país.

— As grandes transformações que o Brasil precisa passam pelo Legislativo, pelo debate legislativo. Liberar recursos, emendas, convênios, tudo isso é importante, mas se você não tiver legisladores que se preocupem com o Brasil real, você acaba legislando de costas para a sociedade.

Marcos Rogério da Silva Brito, 40 anos, é natural de Ji-Paraná (RO), formado em direito e jornalismo e mestre em administração pública. Atuou como radialista e repórter de TV. Pelo PDT, foi vereador em Ji-Paraná (2009) e duas vezes eleito deputado federal (2010 e 2014). Na Câmara dos Deputados foi relator do processo que cassou o ex-presidente Eduardo Cunha.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
Eleições 2018 Rondônia Senado

Senado Agora
11h28 Fundos orçamentários: A Comissão de Constituição e Justiça aprovou a Consulta 1/2017, que analisa se senador ou deputado federal pode apresentar projeto de lei para criação de fundo orçamentário. Matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos.
11h14 Ministra da Agricultura: Comissão de Agricultura e Reforma Agrária aprovou requerimento convidando a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, para apresentar ao colegiado as diretrizes da pasta para os próximos anos.
10h36 Reforma da Previdência: O secretário da Previdência disse que, pelo projeto entregue ao Congresso, a contribuição previdenciária de quem estiver no teto do serviço público será de 22% sobre o salário que ultrapassar o teto do INSS.
Ver todas ›