Eunício retoma pauta de votações no Senado

Da Redação | 09/10/2018, 17h14 - ATUALIZADO EM 09/10/2018, 18h05

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que pretende retomar nesta quarta-feira (10) a rotina de votações na Casa. O Plenário tinha ordem do dia convocada para esta terça-feira (9), com 13 itens na pauta. Mas a sessão foi cancelada por falta de quórum. Eunício lembrou que o Senado tem pelo menos 80 dias de trabalhos ainda em 2018.

— São 20 dias em outubro, 30 em novembro e 20 em dezembro. Estou aqui. Se tivermos quórum, vou destravar a pauta. Espero que compareçam. Sei que muitos estão envolvidos com a campanha de segundo turno. Mas amanhã [quarta-feira] teremos sessão normal — disse nesta terça-feira (9) o presidente do Senado.

Congresso

Eunicio Oliveira também convocou sessão do Congresso para a quarta-feira da próxima semana (17). Na pauta, o veto (VET 32/2018) do presidente da República, Michel Temer, ao piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de combate às endemias.

Resultado das eleições

O presidente do Senado comentou o resultado das eleições do último domingo, quando 85% dos parlamentares que disputavam a reeleição saíram derrotados das urnas. O próprio Eunício Oliveira não obteve um novo mandato. Ele afirmou, no entanto, que “isso é natural no regime democrático”. O senador voltou a dizer que, a partir de fevereiro de 2019, vai se “recolher à vida pessoal”.

— O eleitor tomou uma posição de renovar o Congresso. A democracia é bela porque é assim. Por exemplo: eu perdi as eleições por 0,16% dos votos, em um colégio eleitoral de 6 milhões e 200 mil eleitores. Isso é natural. Eu jamais me decepcionarei com a democracia. Ela é exatamente isso: a escolha livre e soberana do eleitor brasileiro — disse.

Segundo turno

Eunício Oliveira comentou ainda o segundo turno das eleições presidenciais. Ele afirmou que, independentemente do resultado das eleições, pretende estar em Brasília no dia 1º de janeiro de 2019 para dar posse ao futuro chefe do Poder Executivo.

— A população tinha vários candidatos e escolheu dois para o segundo turno. Quem vencer tem que ter equilíbrio para harmonizar o Brasil, que está muito atritado. A democracia não permite a intolerância. Ela permite a convergência na divergência. Eu estarei aqui de plantão no dia 1º de janeiro de 2019 para dar posse ao novo presidente da República, seja o ex-ministro Fernando Haddad (PT), seja o deputado Jair Bolsonaro (PSL) — afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)