Libras pode se tornar disciplina obrigatória nas escolas públicas

Da Redação | 05/10/2018, 12h16 - ATUALIZADO EM 08/10/2018, 19h00

A Língua Brasileira de Sinais (Libras) pode ser incluída como disciplina obrigatória nas escolas públicas do país. A ideia legislativa foi apresentada em março deste ano por meio do Portal e-Cidadania e, em menos de quatro meses, recebeu mais de 20 mil apoios de internautas. A proposta foi transformada na Sugestão (SUG) 15/2018 e aguarda relatório na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).

A libras é um conjunto de gestos usados por deficientes auditivos para a comunicação com outras pessoas, surdas ou não. Quem apresentou a ideia legislativa foi a pedagoga Marilei Monteiro, de São Paulo. Ela argumenta que a Libras “é a segunda língua oficial brasileira”, já que a Lei 10.436, de 2002, reconhece o sistema “como meio legal de comunicação e expressão” do país.

— Fica evidente a negligência nessa questão, pois o surdo não é alfabetizado em sua primeira língua, a libras, mas sim em sua segunda, o português. O surdo chega à escola semsaber  libras, tornando praticamente inútil o trabalho do intérprete em sala de aula — afirma Marilei.

A relatora na CDH é Ana Amélia (PP-RS). Se o parecer da senadora for favorável, a sugestão será convertida em projeto de lei. A partir daí, passa a tramitar nas comissões do Senado, que devem analisar o mérito da proposta.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
12h47 Embrapa: Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprova Projeto de Lei do Senado 39/2017, que permite à Embrapa obter recursos com o licenciamento de seus produtos.
12h47 Associação de municípios: A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou o Projeto de Lei do Senado 486/2017, que regula a associação de municípios para fins de interesse comum. O texto segue para a CCJ.
12h00 Uso da água : Senadores da Comissão de Educação aprovaram Projeto de Lei 40/2017, que institui a Semana Nacional do Uso Consciente da Água. O projeto segue para o Plenário.
Ver todas ›