É preciso uma revolução na educação do país, alerta Roberto Muniz

Da Redação | 05/09/2018, 15h06 - ATUALIZADO EM 05/09/2018, 19h47

Ao defender mudanças estruturais na educação brasileira, o senador Roberto Muniz (PP-BA) afirmou nesta quarta-feira (5) que o setor precisa passar por uma verdadeira revolução. Para ele, por exemplo, é imprescindível que o país realmente valorize o professor, tornando a carreira atrativa e gratificante para atrair profissionais de ponta.

Muniz comentou os recentes resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), comparando os maus resultados do principal indicador da qualidade da educação básica do país com a tragédia que atingiu o Museu Nacional na cidade do Rio de Janeiro.

— Naquele mesmo momento em que as chamas consumiam quase a totalidade dos 20 milhões de itens do Museu Nacional, e com isso carbonizava, queimava o passado da nossa nação, os números do Ideb que foram publicizados em todo o Brasil anunciavam que nós estamos também incinerando o futuro nacional — lamentou.

Segundo o senador, os anos iniciais do ensino fundamental tiveram nota 5,8 (o objetivo nacional era 5,7), mas os anos finais só conseguiram nota 4,7 (o objetivo era 5,0). O resultado desanimador foi mais acentuado no ensino médio, que teve nota 3,8 (objetivo era 4,7).

— É óbvio que nos últimos anos conseguimos evoluir no Brasil. Eu acho que esses indicadores do Ideb já fortalecem a ideia de que estamos tentando qualificar a gestão pública, mas o fato é que nós evoluímos, fizemos uma evolução, mas não fomos capazes de fazer uma revolução. Evolução é diferente de revolução, e precisamos fazer uma revolução na educação do nosso país.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)