Fátima Bezerra critica administração da segurança pública no Rio Grande do Norte

Da Redação e Da Rádio Senado | 04/09/2018, 16h48 - ATUALIZADO EM 04/09/2018, 18h57

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN), usou dados do anuário da Segurança Pública, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), para criticar a gestão no Rio Grande do Norte, em seu discurso no Plenário nesta terça-feira (4).

A senadora citou dados que colocam o estado como o mais violento do país com 68 vítimas de mortes intencionais por 100 mil habitantes. Segundo Fátima, houve um aumento de 32% no número de mortes violentas entre 2014 e 2017, chegando a 2.386. A senadora ainda ressaltou que as principais vítimas seguem sendo as pessoas negras:

— Em 2017, a taxa de homicídios de pessoas negras no Rio Grande do Norte foi de 70,5 vítimas por 100 mil habitantes, enquanto a taxa de homicídios de pessoas não negras foi de 16 vítimas por 100 mil habitantes.

Fátima Bezerra ainda listou o aumento nos números de crimes contra o patrimônio. Segundo ela, foram mais de 8 mil veículos furtados ou roubados, aumento de 96,4% desde 2014. Já os registros de roubos de cargas tiveram um acréscimo de 416% no mesmo período. Diante dos números, a senadora potiguar criticou a atuação do governo do estado que, segundo ela, cortou recursos da segurança.

— É exatamente isso o que mostra o Fórum Brasileiro de Segurança Pública quando aponta que entre 2014 e 2017 houve uma redução de 3,3% nas despesas atribuídas à função segurança pública e de 6% no gasto per capita com segurança. Infelizmente, o governo atual prometeu demais, fez de menos e ainda conseguiu piorar a situação. Os número falam por si —, avaliou.

A senadora destacou que o problema não é exclusivo do Rio Grande do Norte, mas que é preciso ampliar os efetivos das polícias Civil e Militar, além de valorizar as carreiras das áreas de segurança, garantindo condições adequadas de trabalho para quem enfrenta o crime diariamente. Fátima Bezerra citou ainda a necessidade de melhorar as investigações, investir em tecnologia e em inteligência. Além disso, alertou para a urgência de uma reestruturação do sistema prisional, já que houve, segundo o anuário do FBSP, um aumento de 7,2% na população carcerária do estado.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)