Comitiva do Parlamento israelense conhece funcionamento do Congresso

Da Redação | 03/09/2018, 15h00 - ATUALIZADO EM 04/09/2018, 10h22

Representantes do Legislativo de Israel (Knesset, em hebraico) se encontraram nesta segunda-feira (3) com a diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, e com o diretor-geral em exercício da Câmara, Mauro Limeira Barreto, para marcar o início dos trabalhos da primeira reunião da Alta Administração dos Parlamentos do Brasil e de Israel.

O objetivo do encontro é permitir a troca de experiências nas áreas de acessibilidade, de visitação, de segurança e de política institucional de equidade de gêneros.

O diretor-geral do Knesset, Albert Sakharovich, disse que a conexão entre os dois países é importante e que, como todos têm as mesmas preocupações, valoriza muito tais tipos de intercâmbio.

Sakharovich parabenizou a comitiva brasileira pela celebração da independência do país no próximo dia 7 de setembro, mas lamentou profundamente o incêndio no Museu Nacional, ocorrido na noite deste domingo (2) no Rio de Janeiro.

Ele fez uma apresentação do Poder Legislativo israelense, composto por 120 integrantes eleitos diretamente para mandatos de quatro anos. Israel é uma república democrática e cabe ao Knesset eleger o presidente, que é o chefe de Estado. O presidente, por sua vez, escolhe o chefe de governo (primeiro-ministro) que tenha condições de formar um governo de coalizão.

- O Knesset é o coração da democracia israelense - afirmou.

Segundo Albert Sakharovich, a agenda da diretoria-geral do Parlamento israelense passa por melhorar a transparência, a infraestrutura física, o ambiente de trabalho, a oportunidade para pessoas com deficiência e a expansão das relações internacionais, com a troca de experiências com outros países.

Esforços

A diretora-geral do Senado, Ilana Trombka, apresentou aos israelenses informações sobre o sistema bicameral do parlamento brasileiro e sobre estrutura funcional do Senado. Ela lembrou que nos dois anos iniciais de sua gestão, a preocupação foi remodelar os sistemas de compra e contratação da Casa, trabalho que foi elogiado pelos órgãos de fiscalização e controle do país. Agora o foco é no sistema de gestão de pessoas, informou.

A diretora deu detalhes sobre a Carta de Compromissos, elaborada pelos próprios funcionários, e sobre as diretrizes estratégicas em vigor, instrumentos essenciais, segundo ela, para a modernização da gestão.

- Queremos ser o melhor corpo funcional para que os senadores possam realizar o melhor trabalho, o trabalho que o Brasil merece -afirmou.

Os israelenses também conheceram as ações do Senado na luta pelos direitos das mulheres e defesa da igualdade de gênero. O assunto é uma questão que preocupa os parlamentos dos dois países.

O encontro continuará na tarde desta segunda-feira e na manhã desta terça-feira (4), com visitas técnicas e discussões sobre segurança e acessibilidade.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)