Lídice pede que CNJ investigue ameaças a desembargador que liberou Lula

Da Redação e Da Rádio Senado | 09/07/2018, 18h42 - ATUALIZADO EM 09/07/2018, 19h15

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) pediu nesta segunda-feira (9) que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) investigue quem ameaçou o desembargador Rogerio Favreto depois de sua decisão pela liberdade do ex-presidente Lula.

Ela lembrou que a decisão de Favreto foi suspensa, num episódio que, segundo ela, contou com a participação indevida de magistrados em férias.

Isso tudo, na opinião da senadora, reforça a tese de que parte do poder Judiciário tem agido de forma parcial, para impedir que o ex-presidente Lula participe do processo eleitoral.

— O que ficou claro para o Brasil é que, mais uma vez, parte da Justiça brasileira está claramente empenhada em perseguir a figura do presidente Lula. E que o juiz Sérgio Moro chega ao extremo de transformar isso numa causa pessoal e não num caso que interessa ao Estado brasileiro, donde, de férias ou afastado do processo, ele se acha no direito de interferir.

Pesquisa

Lídice da Mata também denunciou cortes no orçamento para a ciência e tecnologia que estariam comprometendo o andamento de projetos de pesquisa.

Ao lembrar que em 8 de julho se comemora o Dia do Pesquisador e da Ciência no Brasil, a senadora lamentou que os cortes orçamentários nos últimos anos venham afetando o setor, dificultando a compra de materiais e equipamentos e até mesmo o pagamento de bolsas de pesquisa e extensão. Segundo ela, os cortes, em algumas universidades, chegaram a 40%, o que compromete o andamento de projetos importantes.

Dados do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações indicam que, em relação ao ano passado, o orçamento deste ano é 12% menor, acrescentou Lídice.

— É preciso muita determinação para tocar ensino, pesquisa, extensão e investigação científica em nosso país nos dias atuais. Enquanto o governo federal não entender que a pesquisa não é gasto, é investimento, não chegaremos a lugar nenhum. E da pesquisa dependem diversos outros setores, como saúde e educação, por exemplo.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)