Medeiros critica burocracia para liberação de obras em rodovias

Da Redação e Da Rádio Senado | 18/06/2018, 16h46 - ATUALIZADO EM 18/06/2018, 16h52

Em pronunciamento nesta segunda-feira (18), o senador José Medeiros (Pode-MT) reclamou da burocracia dos órgãos ambientais e de proteção aos índios para a liberação de obras em rodovias.

Depois de visitar a região do Araguaia, em Mato Grosso, o senador disse que a falta de estradas é a maior reclamação de quem vive nessas localidades. E reclamou que, a cada projeto de rodovia, especialistas do Ibama e da Funai, que não conhecem a região, impõem dificuldades, como a exigência de estudos de impacto que servem apenas para atrasar as obras e dificultar a vida dos produtores rurais do estado.

— Eu sinto que parece que há uma vontade imensa de achar uma perereca diferente, um pássaro exótico, uma caixa de abelha para emperrar tudo. E, com isso, Mato Grosso fica para as calendas — afirmou.

José Medeiros citou o caso da obra da BR-242, que teve o estudo de impacto ambiental custeado pelos agricultores devido à falta de verba do Dnit. O estudo, feito pelo órgão estadual do meio ambiente, ficou pronto, mas o Ministério Público exigiu que o documento fosse elaborado pelo Ibama. A Justiça validou o estudo, mas o Ibama, que até então não havia se manifestado, entrou no processo, exigindo a sua participação. Ao final, como o trâmite demorou muito, o Ibama exigiu que tudo fosse refeito, lamentou o senador.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)