Ângela Portela lamenta aumento de assassinatos de jovens, negros e mulheres

Da Redação e Da Rádio Senado | 13/06/2018, 16h56 - ATUALIZADO EM 13/06/2018, 17h57

Ao analisar, nesta quarta-feira (13), os dados do Atlas da Violência 2018, elaborado pelo Ipea e pelo Foro Brasileiro de Segurança Pública, a senadora Ângela Portela (PDT-RR) lamentou que os índices de violência sejam maiores entre jovens, negros e mulheres.

Em 2016, ano analisado pelos estudiosos, o homicídio foi a causa de 56% das mortes de jovens com idade entre 15 e 19 anos. Já em relação à população negra, o estudo indica que 71,5% das pessoas assassinadas no Brasil eram pretas ou pardas.

Ângela Portela reforçou, ainda, o avanço da violência contra as mulheres, ao revelar que o número de assassinatos aumentou 6,4% nos últimos dez anos e 1,6% de 2015 para 2016. Em 2016, segundo ela, foram assassinadas 4.645 mulheres, o que indica que houve 4,5 homicídios para cada grupo de 100 mil brasileiras.

- No tocante aos homicídios de mulheres, tenho o dever de destacar a triste situação do meu estado de Roraima, campeão nacional de mortes de pessoas do sexo feminino. Em 2016, nosso estado registrou uma taxa de 10 homicídios por 100 mil mulheres, taxa superior à da Região Norte e de todo o Brasil. Houve um aumento de 92,3% em dez anos. É assustador - afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)