Ana Amélia lamenta oposição de Raquel Dodge à instauração do voto impresso

Da Redação | 05/02/2018, 19h02 - ATUALIZADO EM 05/02/2018, 23h05

Em pronunciamento nesta segunda-feira (5), a senadora Ana Amélia (PP-RS) lamentou a decisão da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de ingressar com uma ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar a obrigatoriedade de impressão dos votos pelas urnas eletrônicas nas próximas eleições.

Na ação, protocolada nesta segunda-feira, a procuradora alega que “ao determinar a impressão do voto no processo de votação eletrônica, a norma legal enfrenta o direito fundamental do cidadão ao sigilo do voto, inscrito no artigo 14 da Constituição”.

O voto impresso foi aprovado pelo Senado em 2015. Segundo Ana Amélia, a impressão do voto dará transparência ao pleito:

— Eu lamento a posição da procuradora. É exatamente o oposto, porque a impressão do voto é a segurança do eleitor. Ele não sairá dali com um papelzinho impresso para abrir o voto. Em caso de uma dúvida, vai se fazer uma verificação — argumentou Ana Amélia.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)