Jovens senadores tomam posse e elegem presidente para os trabalhos de 2017

Da Redação | 28/11/2017, 13h21 - ATUALIZADO EM 30/11/2017, 18h55

Selo_Jovem_SenadorOs 27 participantes da 7ª edição do Projeto Jovem Senador tomaram posse nesta terça-feira (28) no Plenário do Senado. Os alunos cursam o ensino médio de escolas públicas, e cada um representa uma unidade da federação.

Selecionados por meio de um concurso de redação, os estudantes vivenciarão durante uma semana o trabalho dos parlamentares em Brasília. Além da posse, foi feita a eleição, por votação secreta, do presidente da Mesa, do vice e dos dois secretários.

A tarefa de conduzir os trabalhos ficará a cargo de Bruna Neri Cardoso Brandão, de Brasília. Ela, que estuda no Colégio Militar Dom Pedro II, foi a primeira colocada no concurso de redação. A vice-presidente será Sarah Evellyn Oliveira Borges, do Acre; o primeiro-secretário, Darlan Paulino da Silva, de Roraima; e o segundo, Victor Matheus de Campos Leite Neves, do Mato Grosso.

Elogios

Antes da posse e da eleição, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que o programa é motivo de orgulho, visto que há quase uma década proporciona a milhares de estudantes a oportunidade de pensar, refletir e colocar no papel temas de importância para o Brasil e para o mundo.

— Ver vocês nesta manhã com interesse pela política rejuvenesce minha esperança e fé de que a boa política, a política com "P" maiúsculo tem futuro e não vai acabar, como muitos querem e apregoam — afirmou.

O presidente também elogiou o tema do concurso de redação deste ano, que permitiu a seleção dos participantes: "Brasil Plural, para falar de intolerância":

— A proposta foi muito feliz. A intolerância, que se manifesta sob todas as formas, é uma das maiores ameaças a qualquer nação. E nosso país tem se deparado com exemplos quase diários de desapreço pela diversidade. Essa intolerância assume as configurações mais diversas: do sectarismo político a agressões pessoais, muitas vezes covardes, até contra crianças — lamentou.

Bruna Neri, por sua vez, lembrou que a educação é ferramenta não só de inclusão social, mas libertadora. Não deve ter barreira, para que o conhecimento seja levado a todos de forma igual.

— Reconheça seus privilégios e assuma suas responsabilidades. Gosto muito dessa frase. Hoje temos o privilégio de estar nessa casa legislativa. Temos consultores legislativos, um programa dessa amplitude e um amparo grande para propor uma lei que melhore de alguma maneira o país e a condição dos estudantes — afirmou.

Atividades

Ao longo da semana, estão previstas atividades para os jovens senadores, incluindo a discussão e votação de sugestões legislativas. Desde 2011, os participantes do projeto já apresentaram 45 sugestões de lei encaminhadas à análise da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), das quais 37 transformaram-se em projetos de lei com tramitação nas duas casas do Congresso Nacional.

O projeto Jovem Senador é voltado para a educação política dos jovens e conta com a parceria do Ministério da Educação e do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed). Também apoiam a iniciativa as secretarias de Educação dos estados e do Distrito Federal. A lista completa dos alunos vencedores do Jovem Senador 2017 está no site do projeto.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)