Reforma trabalhista foi pensada para tirar direitos dos trabalhadores, diz Ângela Portela

Da Redação | 14/11/2017, 15h49

Em pronunciamento nesta terça-feira (14), a senadora Ângela Portela (PDT-RR) criticou a reforma trabalhista. Sancionadas em julho, as novas regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) entraram em vigor no último sábado (11). Para ela, a reforma é um dos projetos mais "cruéis e retrógados" do governo Temer e retirou direitos e garantias que eram conquistas históricas dos trabalhadores brasileiros.

A pior das mudanças, na visão da senadora, foi a criação da jornada intermitente. Com ela, é possível contratar pessoas para trabalhar somente quando necessário e os empregadores vão pagar apenas pelo período em que os serviços foram prestados. Para ela, a alteração abre uma porta para a redução dos salários, que nunca foi permitida pela legislação.

— É evidente que a reforma não foi pensada para beneficiar os trabalhadores. Eles perdem uma grande quantidade de direitos que constam na CLT. Essas vantagens foram direcionadas em benefícios dos empregadores, ou melhor, dos grandes empresários. São eles que passam a ganhar mais — lamentou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
19h26 Créditos orçamentários: Congresso aprova Projeto de Lei do Congresso 13/2017, que facilita o pagamento de emendas parlamentares e impede o contigenciamento do fundo partidário.
19h04 Congresso Nacional: Começou há pouco a sessão do Congresso Nacional para apreciar vetos presidenciais e projetos de lei.
18h36 Royalties da mineração: Vai à sanção o PLV 37/2017, decorrente da MP 789/2017, que aumenta alíquotas da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem), royalty pago pelas mineradoras a estados e municípios.
Ver todas ›