Decisão sobre Aécio foi equívoco da maioria, avalia Cristovam

Da Redação | 19/10/2017, 12h31 - ATUALIZADO EM 19/10/2017, 13h48

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) lamentou nesta quinta-feira (19) a decisão do Senado de rejeitar as medidas cautelares impostas ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O parlamentar, que estava em viagem oficial em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, na terça-feira quando ocorreu a votação, afirmou que o resultado foi um “equívoco da maioria”.

— Foi um equívoco da maioria, mas maioria se respeita. Minha presença aqui teria feito a diferença em relação à minha tranquilidade, mas não em relação ao resultado - observou.

Para Cristovam, o Senado deveria ter aberto processo no Conselho de Ética para investigar Aécio.

— Gostaria de estar aqui para manifestar meu voto sim [pela manutenção da decisão do STF]. Acho que nós perdemos a chance de cuidar do assunto do senador Aécio quando foi pedido o exame no Conselho de Ética. Era ali que deveríamos ter feito. Era a ocasião dele se justificar, de explicar como foi que a voz dele apareceu ali pedindo dois milhões de reais a um empresário que não é dono de banco – disse

WordSkills

Cristovam foi a Abu Dhabi para acompanhar, a convite do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), a WorldSkills 2017, maior competição de educação profissional do mundo. Os competidores são estudantes de cursos de nível técnico de 68 países. Eles disputam 52 modalidades para medir duas habilidades. O senador observou que o Brasil tem tido destaque na competição. Em 2015, quando o evento aconteceu em São Paulo, a delegação brasileira conquistou o maior número de medalhas entre todas as participantes.

— A imensa maioria dos cursos universitários não oferece empregabilidade e salário melhor do que o de um bom profissional de nível médio como aqueles que estão lá – disse o senador ao defender mais investimentos para a educação profissional.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)