Indicação para a Agência Internacional de Energia Atômica é aprovada

Da Redação | 13/09/2016, 17h25 - ATUALIZADO EM 13/09/2016, 21h20

O Plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (13) a indicação de Marcel Fortuna Biato para exercer o cargo de representante permanente do Brasil junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e Organismos Internacionais Conexos, com sede em Viena, Áustria. Foram 49 votos a favor e apenas dois contrários, além de duas abstenções.

Marcel Fortuna Biato nasceu em 17 de novembro de 1958, em Buenos Aires, na Argentina, mas é brasileiro de acordo com as normas constitucionais. Ingressou na carreira diplomática em 1980, por concurso, e tornou-se ministro de primeira classe, em 2007. O diplomata é mestre em Sociologia Política pela London School of Economics, em Londres. No exterior, serviu na Missão junto à Organização das Nações Unidas (ONU) de 1999 a 2003; em missão temporária na Embaixada em Havana, em 2006; e foi embaixador em La Paz, de 2010 a 2013.

Marcel Fortuna Biato tem experiência na resolução de conflitos internacionais e no direito internacional humanitário. É autor de publicações sobre o tema. Sua tese no Curso de Altos Estudos do Instituto Rio Branco (2001) analisa “O Processo de Paz Equador-Peru e a Solução Pacífica de Controvérsias”. Ele foi sabatinado na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), na manhã desta terça-feira.

Agência Internacional

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) foi criada em 1957 e atualmente tem 168 estados-membros. É uma organização internacional independente, porém ligada ao sistema das Nações Unidas. A agência apresenta anualmente relatório sobre suas atividades à Assembleia Geral das Nações Unidas e, quando necessário, informa ao Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre o descumprimento, por parte de estados, de suas obrigações, e de questões relacionadas à paz e segurança internacionais.

O estatuto da agência prevê, entre os objetivos, acelerar e ampliar a contribuição da energia atômica para a paz, a saúde e a prosperidade mundiais, bem como assegurar, na medida de suas capacidades, que a assistência prestada pela agência, ou a seu pedido, supervisão e controle, não seja utilizada para promover qualquer ação com finalidade militar.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
Energia ONU Relações Exteriores