Povo é que foi golpeado, diz Ana Amélia. Dilma reafirma que há 'golpe parlamentar'

Da Redação | 29/08/2016, 11h52 - ATUALIZADO EM 29/08/2016, 13h52

A senadora Ana Amélia (PP-RS) afirmou nesta segunda-feira (29) que a presença da presidente Dilma Rousseff no Senado, na sessão de julgamento do impeachment, legitima o processo em curso e derruba a versão de que se trata de um "golpe". Ana Amélia acrescentou que não há dúvidas de que o crime de responsabilidade existiu nos decretos de crédito suplementar e nas "pedaladas" fiscais.

- A sua presença aqui legitima o julgamento e derruba a narrativa da Sua Excelência, como insiste, como fez agora no seu pronunciamento, em fazer a referência a golpe. O verdadeiro golpe foi contra milhões de brasileiros desempregados e milhares de jovens que ficaram, entre outras coisas, sem o Prouni e sem o Fies – disse Ana Amélia.

Dilma respondeu que é preciso fazer uma distinção entre “golpe militar” e “golpe parlamentar”. A presidente usou a imagem de uma árvore para explicar a diferença.

- No golpe militar, é como se você tivesse uma árvore e essa árvore fosse derrubada: você derruba o governo e você derruba o regime democrático. O que tem acontecido no que eles chamam de golpe parlamentar é o fato de que você tira um presidente, que foi eleito pelo voto direto, por razões que estão fragilizadas, pelo fato de que não há crime de responsabilidade que as sustenta. É como se essa árvore não fosse derrubada, mas sofresse um forte ataque de fungos. Você não derruba a árvore, você compromete a árvore – argumentou.

Dilma disse ainda que compareceu ao Senado porque acredita na Casa como um espaço democrático que deve ser preservado e que a forma de preservá-lo é “abrir o diálogo e acreditar na discussão crítica”. A presidente afirmou que os que não gostam do nome golpe querem encobrir o que se passa.

- O que se está fazendo é, na verdade, encobrir uma tentativa de tirar um governo que chegou a este momento pelas urnas por um governo que não teve voto e que está implantando um programa que não foi eleito, que não foi o programa vencedor – disse.

Dilma encerrou sua resposta à senadora Ana Amélia dizendo que não tem um “apreço egoísta” pelo seu mandato, mas que o defende em nome da preservação da democracia.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)