Auditoria permite redução nos gastos do Senado com telefonia

Da Redação | 23/05/2016, 12h12 - ATUALIZADO EM 30/05/2016, 10h39

Selo_Senado_TransparenteAuditoria realizada pelo Senado nas contas de telefonia fixa tem garantido a redução do valor pago pelo serviço. Em 2015, a Casa conseguiu uma redução de R$ 866.204,84 em relação ao valor inicialmente cobrado pela companhia telefônica. Neste ano, cálculo inicial indica que a redução até o mês de março deve ser em torno de R$ 20 mil.

Prevista nos contratos com a empresa, a auditoria é realizada mensalmente pela Coordenação de Telecomunicações do Senado. A área de Tecnologia da Informação (TI) da coordenação desenvolveu um sistema que aplica os valores estabelecidos no contrato a cada ligação registrada na conta telefônica, considerando o tipo de chamada, a duração e a tarifa cobrada, segundo Eduardo Marinho da Silva, chefe substituto do Serviço de Tarifação.

— No final, nós comparamos o que a empresa cobrou com o que o sistema auditou com base nas regras do contrato. O sistema de auditoria apenas aplica a tarifa contratual. E aí dá uma diferença — explicou Marinho.

Em um segundo momento, é verificado se o valor apurado pela auditoria é coerente com os dados do tarifador, sistema que aplica as regras de tarifação a todas as chamadas telefônicas registradas no PABX do Senado. Os valores apurados têm sido coerentes, segundo Marinho.

— Então, apresentamos a contestação à empresa. Basicamente é um erro de tarifa que a empresa aplica — na avaliação de Eduardo Marinho Silva, que é também um dos gestores dos contratos de telefonia fixa.

Após conferir os questionamentos do Senado, a empresa geralmente concorda com o valor apurado pela auditoria do Senado.

Economia

Se a auditoria garante que o Senado pague o valor correto, a renegociação de contrato e novas licitações permitem economizar, ressaltou Marinho. É o caso da prorrogação, neste ano, de um contrato de 2013 após a empresa reduzir 39%, de 41 centavos para 25 centavos, o valor do minuto das ligações de telefone fixo para móvel. O novo valor passou a vigorar em 6 de março deste ano após negociação coordenada pela diretoria-geral adjunta de Contratações. Em 2014, ano atípico em função da Copa do Mundo e das eleições, o Senado pagou por volta de R$ 1,3 milhão nesse tipo de ligação. Já em 2015, em pleno funcionamento normal da Casa, gastou-se por volta desse mesmo valor. A economia nesse tipo de ligação será percebida este ano, segundo Marinho.

Em 2014, o Senado gastou cerca de R$ 1,5 milhão nos contratos de telefonia fixa referentes a ligações de fixo para fixo locais e de longa distância e de fixo para móvel de longa distância feitas a partir do PABX, das linhas diretas e daquelas recebidas pelo Alô Senado (0800). Em 2015, foi gasto aproximadamente R$ 1,2 milhão, uma redução de 18%. Se for mantida a tendência atual, é esperado que em 2016 o gasto não seja superior a R$ 1 milhão nessas modalidades de chamadas.

No dia 24 de agosto de 2015, entrou em vigor novo contrato com a companhia que venceu a licitação para esses tipos de ligação. O valor anual foi licitado em R$ 2,4 milhões, equivalente a uma redução de R$ 2,8 milhões, ou seja, menos 54% em relação aos contratos anteriores.

Outra medida importante para redução dos gastos com telefone foi a determinação, por parte da atual direção do Senado, de que a economia fosse feita observando-se os mecanismos já existentes na Casa. É o caso da restrição dos ramais das categorias mais altas, o que ajudou a reduzir os custos pela menor utilização. Medida que pode igualmente gerar economia é uma maior fiscalização nos relatórios das contas telefônicas, que vai permitir um controle das ligações feitas nos diversos setores da Casa.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
Senado Transparente Telecomunicações