Senado adia votação de MP e pauta continua trancada

Da Redação | 11/02/2014, 18h55

A votação da Medida Provisória (MP) 626/2013, que abre crédito extraordinário de R$ 2,5 bilhões para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), foi adiada. O presidente do Senado, Renan Calheiros, tomou a decisão já em Plenário, nesta terça-feira (11), com base em um acordo de lideranças, quando a matéria estava pronta para ser votada.

Renan aproveitou para convocar uma reunião de líderes para a próxima terça-feira (18). O encontro, segundo o presidente, vai permitir que cada líder aponte as prioridades de seu partido para a construção de um calendário de votações.

— Vamos fazer um esforço para compatibilizar o calendário eleitoral com o funcionamento do Senado — disse Renan.

O acordo sobre o adiamento da votação da MP surgiu no Plenário, por sugestão do líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM). O líder do DEM, senador José Agripino (RN), concordou com o acordo. Ele disse que assim será possível fazer uma agenda de prioridades para o primeiro semestre “sem ruído e com tranquilidade”.

Terrorismo

Com o adiamento da votação da MP, a pauta do Senado continua trancada. Assim, o Projeto de Lei do Senado (PLS) 499/2013 – que tipifica o terrorismo e foi objeto de intenso debate antes do início da ordem do dia – também teve sua apreciação adiada.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) disse que é mais prudente deixar a discussão da matéria para quando o projeto tiver condições de realmente ser votado. O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) comemorou o adiamento da votação do projeto que trata do terrorismo, "por ter divergências desde a sua gênese, até o seu sepultamento”.

- É o que pretendo e vou me esforçar para isso aqui no Plenário. Saúdo o entendimento da Mesa e dos líderes – disse Randolfe.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: