Senadores deixam CPMI da JBS após escolha de relator

12/09/2017, 22h18

Os senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Ricardo Ferraço (PSDB-ES) decidiram se desligar da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que vai investigar as atividades do grupo JBS, após o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) ter sido escolhido relator. Os senadores alegaram que a CPMI perdeu a credibilidade. Ferraço acrescentou, “na medida em que você designa o chefe da tropa de choque do presidente Temer pra relatar essa comissão, na prática é revanche”. Otto Alencar criticou o presidente da CPMI, Ataídes Oliveira (PSDB-TO), “não há condição nenhuma de um presidente de uma comissão parlamentar de inquérito procurar o presidente da República que tem envolvimento no caso. Segundo, o senhor indicar o principal representante do presidente da República na Câmara, deputado Marun, que é o testa de ferro do presidente da República na Câmara federal, portanto dentro dessa farsa, dessa CPMI chapa-branca”. Ataídes Oliveira justificou que foi respeitado critério da proporcionalidade na escolha do relator. A reportagem é de Paula Groba, da Rádio Senado.



Opções: Download


Senado Agora
13h34 CPI da Pandemia: Eduardo Braga (MDB-AM) cobrou um cronograma definitivo da vacinação no país. "Já ouvimos inúmeras previsões não correspondidas", disse. Queiroga respondeu que a agenda é atualizada semanalmente a partir de uma série de variáveis.
13h13 CPI da Pandemia: Questionado por Eduardo Girão (Podemos-CE) sobre "tratamento precoce”, Queiroga não deu sua opinião e disse que o ministério elaborará protocolo clínico e diretriz terapêutica que serão colocados à discussão em consulta pública.
12h57 CPI da Pandemia: Ciro Nogueira (PP-PI) disse que o ex-ministro Mandetta mentiu à CPI ao afirmar que o Brasil poderia ter começado a vacinar em novembro passado, pois, no mundo, só foi possível a aplicação da primeira dose em dezembro.
Ver todas ›