Senadores avaliam impacto da decisão do ministro do STF sobre Renan Calheiros

06/12/2016, 08h48

O líder do Governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (SP), avalia que o afastamento do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da Presidência da Casa por decisão de um único ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) coloca em risco a estabilidade política. Ele considera, no entanto, que uma eventual mudança no comando do Senado não vai atrapalhar as votações finais, incluindo a da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 55/2016) que estabelece um teto para os gastos públicos para os próximos 20 anos.

Já o líder da Minoria, senador Lindbergh Farias (PT–RJ), considera que independentemente de uma decisão definitiva do Supremo, o Senado não tem condições de votar o segundo turno da PEC do Teto de Gastos, previsto para o dia 13. O segundo vice-presidente do Senado e líder do Governo no Congresso Nacional, senador Romero Jucá (PMDB-RR), ressaltou que a votação em segundo turno da PEC faz parte de um acordo firmado com todos os partidos e que independe de quem presida a sessão. Reportagem de Hérica Christian, da Rádio Senado.



Opções: Download