Ferramentas Pessoais
Acessar

Pesquisa nacional avalia pacote de medidas anticrime

DataSenado realiza pesquisa sobre os projetos de lei que juntos constituem o pacote de medidas anticrime. Resultados mostram que as propostas apresentadas são conhecidas e aprovadas pela maioria dos brasileiros.
01/04/2019 16:30

O Instituto DataSenado realizou pesquisa nacional sobre os projetos de lei que juntos constituem o chamado pacote de medidas anticrime entregue pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, ao Congresso Nacional. Os resultados mostram que as propostas de Moro já são conhecidas e aprovadas pela maioria dos brasileiros.

Para realização da sondagem, foram entrevistados 1.161 cidadãos de todas as unidades da Federação, por meio de ligações para telefones fixos e móveis, realizadas de 6 a 25 de março de 2019. A amostra é estratificada, totalmente probabilística, com distribuição proporcional à população de acordo com os dados mais recentes do IBGE. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais com nível de confiança de 95%.

Elevado nível de conhecimento do pacote

Os resultados mostram que as medidas propostas para combater a corrupção, o crime organizado e os crimes violentos já são do conhecimento de 72% dos entrevistados. Os que mais se interessam pelo assunto são os moradores da região Sul (83%) e os brasileiros com 60 anos ou mais (84%).

 

 

 

 

Otimismo sobre os resultados das medidas

Quando indagados sobre os possíveis efeitos dos projetos de lei, a grande maioria que ouviu falar neles acredita que vão trazer muitos benefícios (65%). Outros 17% são mais céticos, mas ainda assim acreditam que as medidas trarão poucos benefícios. Apenas 15% dos entrevistados afirmaram não acreditar que alguma coisa mudará com aprovação do projeto de Moro.

 

 

A prisão em segunda instância, assunto largamente debatido entre políticos e instituições, conta com a aprovação de 51% dos entrevistados. Outros 23% defendem que o acusado fique preso desde a primeira instância. Apenas 20% dos brasileiros entrevistados defendem que a prisão só deva ocorrer no final do processo.