Paulo Paim condena iniciativa de privatização da Eletrobrás

Da Redação e Da Rádio Senado | 13/09/2017, 16h15 - ATUALIZADO EM 13/09/2017, 17h12

"A privatização da Eletrobras é um atentado à soberania nacional", disse em Plenário nesta quarta-feira (13) o senador Paulo Paim (PT-RS).

Na opinião do senador, apesar de o governo alegar que a estatal é inviável, em 2016, a Eletrobrás foi considerada a melhor empresa do setor elétrico brasileiro e a quinta maior do país em patrimônio líquido, segundo o jornal Valor Econômico e a Fundação Getúlio Vargas.

Paim relatou que a Eletrobrás gera 31% da energia brasileira, sendo responsável por 50% das linhas de transmissão. São 233 usinas que geram energia incluindo Furnas, com 12 hidroelétricas e duas termoelétricas, além da Companhia Hidroelétrica de São Francisco (CHESF), disse o senador.

O senador gaúcho citou o lançamento da Rede Parlamentar em Defesa da Soberania Energética Nacional, cujo objetivo é criar no Congresso Nacional e nos legislativos estaduais e municipais a campanha "Energia não é Mercadoria". Isto porque a venda da estatal, segundo Paulo Paim, vai aumentar o preço da conta de luz, a ser paga pelos brasileiros.

— A privatização da Eletrobras é um atentado à soberania nacional. Eu não tenho dúvida alguma que a população brasileira é que vai pagar a conta com a privatização da Eletrobras.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)