Reguffe apresenta propostas para reforma política e critica 'lista fechada'

Da Redação e Da Rádio Senado | 20/03/2017, 19h02 - ATUALIZADO EM 20/03/2017, 19h12

A votação em lista fechada, prevista no texto da reforma política em análise no Congresso, foi criticada em Plenário pelo senador Reguffe (sem partido-DF). Para ele, as mudanças são inaceitáveis, porque vão tirar do eleitor o direito de escolher seus candidatos.

O senador apoiou a PEC 9/2015, do voto distrital, e a PEC 10/2015, que torna o voto facultativo. Para Reguffe, além de mais democrático, o projeto obrigará a classe política a fazer um trabalho de convencimento de ideias e de conscientização, para levar o eleitor às urnas.

Reguffe também citou a PEC 8/2015, cria um sistema de revogabilidade de mandatos, determinando que cada candidato terá que registrar suas propostas e compromissos perante a Justiça Eleitoral. O descumprimento dos compromissos, segundo o texto, levará à perda do mandato. Além disso, o senador também disse que protocolou o PLS 36 de 2015, que introduz uma padronização das campanhas, sem a concessão de dinheiro para candidatos ou partidos políticos.

— Essas são, basicamente as minhas propostas de reforma política. Isso é o que eu acho que aproximaria os eleitores da representação política. Nós teríamos uma representação política mais em consonância com o desejo do eleitor, teríamos eleições menos desiguais, mais justas, o sistema seria constantemente oxigenado, renovado. Isso aqui seria uma representação.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
12h59 CPI Mista da JBS: Eunício Oliveira leu o requerimento do senador Ataídes Oliveira que pede a criação de uma CPI mista para investigar as irregularidades da empresa JBS em operações com o BNDES entre 2007 e 2016.
12h52 MP do FGTS: O Plenário aprovou a MP 763/2016, que permite o saque de contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) sem a carência de três anos exigida pela lei. A matéria vai à promulgação.
11h41 CRE: Comissão aprova proposta determinando que decisões de tribunais e organismos internacionais de direitos humanos, tratando sobre responsabilidades do Estado brasileiro, devem ser cumpridas imediatamente (PLS 220/2016).
Ver todas ›