Proibição do uso de animais em testes de cosméticos será analisada pela CCT

Da Redação | 17/03/2017, 15h18 - ATUALIZADO EM 21/03/2017, 19h53

A Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) reúne-se na quarta-feira (22), quando poderá votar, entre outras matérias, o PLC 70/2014, do deputado Ricardo Izar (PP-SP), que proíbe o uso de animais em atividades de ensino, pesquisa e testes laboratoriais de cosméticos, produtos de higiene pessoal e perfumes.

O relator é o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que é favorável à aprovação da matéria. Depois da CCT, o projeto vai para a Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle (CMA).

A proposta tramita em conjunto com o PLS 45/2014, do senador Alvaro Dias (PV-PR), e com o PLS 438/2013, do senador Valdir Raupp (PMDB-RO), por terem conteúdo semelhante.

Em seu relatório, Randolfe abserva que os projetos cumprem o princípio ético de evitar maus-tratos aos animais, além de ajudar a promover as exportações brasileiras para a União Europeia e outros países que eliminaram essas práticas. Ele optou por levar adiante o PL 70/2014 por ser mais detalhado e mais abrangente que os demais.

Fundo

Outra proposição a ser analisada pela CCT é o PLC 201/2015, do ex-deputado João Colaço, que destina ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico 1% da arrecadação bruta das loterias federais e demais concursos de prognósticos sujeitos a autorização federal.

A relatoria é do senador Cristovão Buarque (PPS-DF), que apresentou voto pela aprovação da matéria. Ele lembra que o  Brasil investe 1,2% do produto interno bruto (PIB) em pesquisa e desenvolvimento, metade do percentual médio investido pelos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Depois da votação na CCT, o projeto será analisado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
17h12 Liderança do PMDB: senador Renan Calheiros anuncia em Plenário que está deixando a liderança do PMDB. Uma das justificativas é não concordar com decisões de um partido que age "como um departamento do Poder Executivo".
16h40 Reforma trabalhista: líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), lê na comissão carta do presidente Michel Temer se comprometendo a vetar pontos da reforma, caso ela seja aprovada no Senado.
14h32 Reforma trabalhista: Lasier Martins (PDT-RS) foi o quarto senador a ler seu voto em separado. Ele não opinou pela rejeição do projeto, mas apresentou cinco emendas sobre pontos considerados críticos. Lídice da Mata (PSB-BA) é a próxima a ler.
Ver todas ›