Regina Sousa chama atenção para necessidade de discussão da condição feminina no Brasil

Da Redação e Da Rádio Senado | 10/03/2016, 18h55 - ATUALIZADO EM 10/03/2016, 19h05

A senadora Regina Sousa (PT-PI) considera de grande importância a discussão sobre a condição feminina no Brasil, principalmente de modo a enfrentar a violência contra as mulheres. Ela citou estatísticas segundo as quais desde 1980 foram assassinadas 105 mil mulheres no Brasil, o que torna o país um dos mais arriscados para a população feminina. Além disso, segundo Regina Sousa, o aumento da taxa de homicídios de mulheres negras revela uma “aliança cruel” entre racismo e machismo no Brasil.

A senadora destacou o avanço da rede de serviços do governo federal para as mulheres em situação vulnerável, mas lamentou que os estados e municípios não consigam executar esforços semelhantes por limitações orçamentárias. Para Regina Sousa, a educação sobre igualdade de gênero nas escolas é uma necessidade para o exercício da democracia, ainda que, em sua avaliação, os esforços nesse sentido estejam sendo “mutilados”.

- O termo 'gênero' surgiu justamente para entendermos e respondermos à desigualdade, que tem sua raiz no machismo e no patriarcado. Desconstruir essa cultura por meio de educação não-sexista é mais um desafio que temos que enfrentar - afirmou a senadora.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

  • 11h40 Impeachement: Pelo cronograma de trabalho apresentado pelo senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), a votação do seu relatório na Comissão Especial do Impeachment seria em 27 de julho.
  • 11h39 CPI do HSBC: Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou no voto em separado que a CPI do HSBC "não atingiu seus objetivos" e argumenta que seu fim agora "não seria oportuno".
  • 11h32 Impeachment: O senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) apresenta agora o plano de trabalho para a segunda fase da Comissão do Impeachment.