Impostos elevados atrasam o desenvolvimento nacional, afirma Raimundo Lira

Da Redação e Da Rádio Senado | 03/03/2016, 18h22 - ATUALIZADO EM 03/03/2016, 18h50

O senador Raimundo Lira (PMDB-PB) disse, em pronunciamento no Plenário nesta quinta-feira (3), que não existe país que tenha crescido e se desenvolvido economicamente sem educação de qualidade e sem exportar produtos resultantes de investimentos em pesquisa, ciência e tecnologia.

Segundo Raimundo Lira, foram criados muitos encargos para a atividade econômica a partir da Constituição de 1988. Ele observou que a carga tributária no Brasil encontra-se em 36%, ou 11 pontos percentuais acima do limite razoável, o que atrasa o desenvolvimento nacional.

Ele defende o aprimoramento do sistema tributário, como forma de reduzir custos empresariais e favorecer o desenvolvimento.

- Não podemos ter essa curva de crescimento e queda porque isso traz instabilidade. E esse crescimento constante, essa estabilidade do consumo nacional só existem se o dinheiro de quem produz, o dinheiro do trabalhador, o dinheiro do assalariado não seja confiscado. E hoje o contribuinte brasileiro, na média, dedica por ano cinco meses do seu trabalho para os impostos - afirmou o senador.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
17h51 Dívida de combustíveis: Parlamentares discutem agora veto parcial ao PLV 11/2016 (MP 706/2016), que fixa como objetivo da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) o pagamento de dívidas com combustível referentes a distribuição de energia elétrica.
17h49 Nada consta: O Congresso manteve há pouco veto parcial ao Projeto de Lei da Câmara 110/2011, que obriga instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional a emitir recibo de quitação integral de débito, quando pedido pelo consumidor.
17h22 Desvinculação de receitas: O ministro do Planejamento também pediu a Renan Calheiros a rápida aprovação da PEC 31/2016, que trata da desvinculação de receitas da União, estados, DF e municípios.
Ver todas ›