Acordo de facilitação de comércio é aprovado pela Comissão de Relações Exteriores

Marcos Magalhães | 03/03/2016, 13h50 - ATUALIZADO EM 03/03/2016, 16h30

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) aprovou, nesta quinta-feira (3), a inclusão entre as normas da Organização Mundial de Comércio do Acordo de Facilitação de Comércio firmado pelo organismo em novembro de 2014. Primeiro documento a ser incluído na lista de acordos da OMC desde a sua criação, o texto tem como principal objetivo superar barreiras administrativas ao comércio exterior. A matéria foi enviada ao Plenário em regime de urgência.

O Projeto de Decreto Legislativo (PDS) 6/2016, destinado a referendar o acordo, foi aprovado com voto favorável do relator, senador José Agripino (DEM-RN). Ele informou ter recebido pela manhã telefonema do diretor-geral da OMC, embaixador Roberto Azevêdo. Segundo o senador, Azevêdo observou que o acordo “atende perfeitamente ao que o Brasil precisa” em termos de desburocratização e diminuição de custos.

— O acordo é interessantíssimo para o Brasil — celebrou Agripino, lembrando que a facilitação de comércio poderá contribuir para a retomada do crescimento do país.

Organismos internacionais

Também foi aprovado pela comissão requerimento do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) para a realização de audiência pública sobre a participação do Brasil em organismos internacionais. Para o senador, é importante que o Senado discuta esse tema no momento em que o governo criou grupo de trabalho destinado a reavaliar a presença brasileira em diversas organizações. Ele lembrou ainda que o Brasil deve mais de R$ 2 bilhões a organismos internacionais.

— Trata-se de uma verdadeira pedalada internacional. A inadimplência brasileira tira o moral de nossos representantes nessas organizações — alertou Ferraço.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
17h46 Vanessa Grazziotin: A senadora do PCdoB-AM afirmou ser preciso mais do que "ritos e prazos" para o processo de impeachment ser legítimo. "A forma só não basta, é necessário que o conteúdo de uma sentença também seja justo", disse.
17h35 Impeachment: 18º a falar, José Medeiros (PSD-MT) disse que a defesa da presidente afastada Dilma Rousseff gastou mais tempo com ataques e tentativas de desqualificar os adversários do que com argumentos.
17h23 Impeachment: Para Gleisi Hoffmann (PT-PR), as acusações contra a presidente afastada Dilma Rousseff foram "pulverizadas" pela defesa durante o processo. Ela salienta que Dilma é mulher e de esquerda e afirma que há um golpe de estado.
Ver todas ›