Ronaldo Caiado condena recriação de impostos

Da Redação | 02/02/2016, 21h34 - ATUALIZADO EM 02/02/2016, 21h56

Em pronunciamento nesta terça-feira (2), o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) criticou a presidente Dilma Rousseff por ter defendido, durante a abertura dos trabalhos legislativos do Congresso Nacional, a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF) e de novos impostos como forma de favorecer a retomada do crescimento do país em 2016.

Caiado disse que o eleitorado brasileiro vem cobrando uma saída para a crise atual, que ameaça todos os setores da população com o crescimento da inflação e o aumento do desemprego. Os problemas que afetam o país, afirmou, exigem uma discussão concentrada em fatos da realidade atual, sem o envolvimento de iniciativas adotadas por governos passados para justificar os erros do governo do PT.

— Estamos assistindo hoje a base do governo irada, que vem para o Plenário dizendo que estão tentando destituir o ex-presidente Lula. Ora, o que está sendo publicado na mídia é produto de investigação do Ministério Público e da Polícia Federal — afirmou.

Caiado disse ainda que não adianta a base do governo “tergiversar com teses maniqueístas”, tendo em vista que a sociedade quer uma solução imediata para a crise atual, e a escolha de alguém com credenciais para conduzir os rumos do país.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Senado Agora
11h48 Impeachment: Foi negado pedido de Vanessa Grazziotin de suspeição da testemunha da acusação Júlio de Oliveira, por falta de isenção. Ricardo Lewandowski disse: “Ele já foi ouvido nas fases anteriores e não há fato novo que o torne suspeito”.
11h32 Impeachment: Questão de Lindbergh Farias foi indeferida por Ricardo Lewandowski. Ele queria a suspensão do processo até a PGR e o STF julgarem pedido de afastamento de Michel Temer. “Representação não é motivo para suspensão”, disse.
11h26 Impeachment: Ricado Lewandowski indeferiu questão de Fátima Bezerra que pedia a suspeição do relator do processo, Antonio Anastasia. Essa questão foi resolvida pelo STF, na Comissão Especial do Impeachment e na sessão de pronúncia, explicou.
Ver todas ›
Primeira página

O Senado reúne-se nesta quinta-feira (25), às 9h, como órgão judiciário para o julgamento da presidente Dilma Rousseff por crime de responsabilidade. De acordo com a Constituição, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, presidirá a sessão.

Veja mais destaques ›