Senado promove campanha para divulgar novo domínio de 'sites' do Poder Legislativo

Da Redação | 30/10/2012, 18h05 - ATUALIZADO EM 20/02/2015, 02h13

O Senado Federal produziu uma campanha para divulgar a nova extensão dos sites das instituições do Poder Legislativo. Agora, os endereços na internet das casas legislativas e dos tribunais de contas virão acompanhados de .leg.br em vez de .gov.br. Por meio do conceito “O legislativo mudou de endereço”, a iniciativa do Senado busca informar os cidadãos sobre o novo formato, sempre destacando no texto o termo leg por meio de jogo de palavras. A campanha consiste em um vídeo de 30’’, cartazes, banners e anúncios. Todo o material foi criado e produzido utilizando a estrutura do próprio Senado, sem custos adicionais ao contribuinte. A veiculação será feita em emissoras públicas de TV ou em parceria com outros meios.

A adoção do domínio .leg visa facilitar o reconhecimento dos endereços das instituições vinculadas ao Poder Legislativo, além de eliminar barreiras técnicas e políticas decorrentes do uso do .gov. A transição para o novo domínio será gradual. Os internautas que acessarem o endereço com final .gov.br receberão uma mensagem informando a respeito da mudança e serão automaticamente redirecionados ao endereço com o final .leg.br.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
11h13 Corrupção: a CAE aprovou, em decisão terminativa, o PLS 291/2014, que destina prioritariamente à educação os recursos públicos recuperados em ações de combate à corrupção. O projeto deverá seguir diretamente para a Câmara.
11h04 Imposto rural: com a aprovação do PLS 640/2015 pela CAE, o agricultor brasileiro poderá ter a opção de usar o Cadastro Ambiental Rural (CAR) para apuração da área tributável de sua propriedade rural, sobre a qual é calculado o imposto.
10h57 Caatinga: a inclusão de projetos de proteção da Caatinga entre as prioridades de aplicação de recursos do Fundo Nacional de Meio Ambiente, prevista no PLS 578/2015, foi aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).
Ver todas ›