Comissão especial que vai analisar novo Código Penal realiza primeira reunião

Tércio Ribas Torres | 03/08/2012, 16h10 - ATUALIZADO EM 20/02/2015, 00h22

A comissão especial interna destinada a examinar o anteprojeto do novo Código Penal vai realizar sua primeira reunião na próxima terça-feira (7), a partir das 18h30. O texto tramita como projeto de Lei do Senado (PLS) 236/2012.

Além de a reunião formalizar a instalação da comissão, também vai permitir a eleição do presidente e do vice-presidente. No último dia 17, o presidente do Senado, José Sarney, anunciou os senadores indicados pelos blocos partidários para compor a comissão especial. O parecer da comissão será votado pelo Plenário e, se aprovado, seguirá para a Câmara dos Deputados. O último passo é a sanção presidencial.

Polêmicas

A proposta prevê mudanças polêmicas, como a transformação da exploração dos jogos de azar em crime, a descriminalização do plantio e do porte de maconha para consumo próprio, o maior rigor na punição a motoristas embriagados e a ampliação das possibilidades do aborto legal.

Além de várias inovações, o texto, preparado pela comissão especial de juristas que trabalhou durante o primeiro semestre, consolida toda a legislação penal do país. O relatório final foi entregue a Sarney no mês de junho. A comissão foi presidida pelo ministro Superior Tribunal de Justiça (STJ) Gilson Dipp e teve como relator o procurador da República Luiz Carlos Gonçalves.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
22h20 Impeachment: O senador Dalirio Beber (PSDB-SC) é o 44º parlamentar a se dirigir à presidente afastada Dilma Rousseff. Há o total de 48 inscritos.
22h06 Impeachment: O senador Paulo Rocha (PT-PA) inscreveu-se na lista de parlamentares a interrogarem a presidente afastada Dilma Rousseff. São agora 48 senadores.
22h01 Impeachment: Cristovam Buarque (PPS-DF) pergunta a Dilma Rousseff sobre que qualidades de Michel Temer a levaram a escolhê-lo como vice-presidente por duas vezes. Dilma disse que supunha que Temer era do "centro democrático" do PMDB.
Ver todas ›