Servidores devem esgotar negociações antes de optar por greve, diz Casildo Maldaner

Da Redação | 12/07/2012, 17h10 - ATUALIZADO EM 20/02/2015, 00h10

O senador Casildo Maldaner (PMDB-SC) disse nesta quinta-feira (12) que “o melhor para todos” é que os servidores públicos e o poder público busquem negociação e entendimento para evitar greves que prejudiquem o país e a população.

O parlamentar disse que virou fato corriqueiro no Brasil greves de servidores públicos dos mais variados órgãos e categorias. Casildo Maldaner disse ser inegável que os trabalhadores públicos e privados têm direito de greve, garantido pela Constituição Federal. Sugeriu, porém, que os servidores devem “buscar a via do entendimento, da conciliação, antes de partir para o confronto”.

Nos últimos anos, opinou o senador, a greve vem sendo banalizada, causando prejuízos à sociedade. Para ele, os sindicatos e centrais sindicais precisam ter maior compromisso com a sociedade brasileira, esgotando todas as vias de negociação antes de iniciarem greves.

Casildo Maldaner disse ainda que o mesmo “espírito de entendimento” tem de ser praticado também pelas categorias patronais e pela administração pública. A reposição de perdas inflacionárias para os salários dos trabalhadores, exemplificou, não deveria ser motivo de conflito, pois o orçamento dos funcionários não pode ser comprometido.

- Com relação aos reajustes, o espírito de responsabilidade e ponderação deve reinar em ambos os lados. Reposição de inflação não é reajuste – opinou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
12h12 Impeachment: O presidente do STF e do processo de julgamento, ministro Ricardo Lewandowski, informou que haverá uma pausa na sessão às 13h com retorno às 14h.
11h28 Impeachment: Nelson Barbosa responde há uma hora a questionamentos dos senadores. Já fizeram perguntas Paulo Paim (PT-RS), Ricardo Ferraço (PSDB-ES), Armando Monteiro (PTB-PE), Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).
10h26 Impeachment: O economista Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento de Dilma Rousseff, é o primeiro a depor. O senador Paulo Paim (PT-RS) começa os questionamentos à testemunha da defesa. 21 senadores estão inscritos.
Ver todas ›