Sessão solene do Congresso lembra os 124 anos da Abolição da Escravatura

Raíssa Abreu | 24/05/2012, 20h15 - ATUALIZADO EM 19/02/2015, 22h51

O Congresso Nacional prepara sessão solene conjunta para lembrar os 124 anos da Abolição da Escravatura. O evento será realizado na segunda-feira (28), por iniciativa do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) e do deputado Domingos Dutra (PT-MA). A sessão está marcada para as 11 horas, no Plenário do Senado.

A Lei Áurea foi assinada pela Princesa Isabel, em nome do Imperador Dom Pedro II, em 13 de maio de 1888. Até então, os escravos, homens e mulheres negros trazidos da África desde o início da colonização, e seus descendentes, não eram considerados cidadãos. Eram parte do patrimônio de seus senhores, numa economia essencialmente rural e dependente de sua força de trabalho.

Segundo os historiadores, com a abolição, veio a liberdade, mas também a miséria e  a exclusão. Os antigos senhores de escravos se adaptaram à nova realidade contratando a mão de obra barata dos imigrantes europeus recém-chegados. Quanto aos ex-escravos, tiveram que pagar o preço alto de viver em uma sociedade conservadora, que não foi devidamente preparada para acolhê-los.

Em pronunciamento no último dia 15, o senador Paulo Paim (PT-RS) afirmou que o Brasil é a nação com mais pessoas negras fora da África, devido, sobretudo, ao fato de que 40% dos africanos levados no período do tráfico de escravos terem sido trazidos a terras brasileiras.

Para o senador, fatores como discriminação racial e diferentes padrões de tratamento e atendimento em setores como a saúde, educação, mercado de trabalho e segurança pública mostram que “temos uma abolição da escravatura não concluída”.

A sessão solene do Congresso Nacional está marcada para as 11 horas, no Plenário do Senado Federal.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
14h56 Impeachment: Para inquirir o procurador junto ao Tribunal de Contas a União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira estão inscritos 29 senadores. Dois já fizeram os questionamentos: Ricardo Ferraço e Fernando Bezerra Coelho.
14h41 Impeachment: O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) é o primeiro a inquirir o procurador junto ao Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira, que fala como informante e não mais como testemunha, segundo decisão de Ricardo Lewandowski.
14h37 Impeachment: Ricardo Lewandowski dispensou Júlio de Oliveira de depor como testemunha. Ele falará como informante. O presidente do STF considerou que o procurador não poderia ter participado de ato incitando a rejeição das contas de Dilma.
Ver todas ›