Salário mínimo deve ter reajuste de 7% em 2013, afirma Valadares

Da Redação | 02/05/2012, 12h10 - ATUALIZADO EM 19/02/2015, 22h13

O relator do projeto que define as diretrizes para a elaboração e execução da Lei Orçamentária de 2013 (LDO), senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), disse, em entrevista à Rádio Senado, que o salário mínimo deve ter um reajuste de 7% em 2013.

Valadares avalia que esse é o número mais importante da LDO 2013. O valor deve subir dos atuais R$ 622 para R$ 668,75 a partir de janeiro do próximo ano, com pagamento em fevereiro.

O senador lembrou que, no período em que governou Sergipe, entre 1987 e 1990, a luta era para que o salário mínimo chegasse a US$ 100 dólares. Hoje, o valor já ultrapassa os US$ 300 dólares.

– É uma alegria muito grande, foi uma luta tremenda, porque o que se pensava na época é que a gente poderia chegar a 100 dólares. Hoje chegamos ao topo daquilo que ansiávamos. Mas ainda não é o suficiente para resolver todos os problemas do trabalhador, daquele que só sobrevive com o salário mínimo.

Parâmetro

A Lei de Diretrizes Orçamentárias serve de parâmetro para a elaboração do Orçamento da União. O texto foi enviado ao Congresso Nacional pelo Ministério do Planejamento no dia 13 de abril.

Na proposta encaminhada pelo Executivo (PLCN 3/2012), considera-se um crescimento da economia de 5,5% no ano que vem. Para a inflação, a estimativa da equipe econômica é de 4,5% no período de 2013 a 2015. A proposta também prevê que o governo irá economizar R$ 156 bilhões no ano que vem para pagar os juros da dívida.

Pela Constituição Federal, o projeto da LDO deve ser votado até julho, antes do recesso parlamentar. O cronograma de trabalho da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) prevê que o relatório preliminar sobre a proposição seja apresentado até o dia 8 de maio. A votação final está marcada inicialmente para o dia 1º de julho.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
11h25 Burocracia: a CAE aprovou o PLS 286/2015, que amplia de R$ 1 milhão para R$ 10 milhões o patrimônio da companhia que não precisará mais publicar documentos exigidos pela Lei das Sociedades Anônimas (Lei 6.404/1976).
11h13 Corrupção: a CAE aprovou, em decisão terminativa, o PLS 291/2014, que destina prioritariamente à educação os recursos públicos recuperados em ações de combate à corrupção. O projeto deverá seguir diretamente para a Câmara.
11h04 Imposto rural: com a aprovação do PLS 640/2015 pela CAE, o agricultor brasileiro poderá ter a opção de usar o Cadastro Ambiental Rural (CAR) para apuração da área tributável de sua propriedade rural, sobre a qual é calculado o imposto.
Ver todas ›