Para Suplicy, Rio+20 deve ser trabalhada sob novo paradigma civilizatório

Da Redação | 06/03/2012, 22h35 - ATUALIZADO EM 19/02/2015, 20h52

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse, nesta terça-feira (6), ser preciso trabalhar para realizar a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, à luz de um “novo paradigma civilizatório para a humanidade”. Segundo ele, o século 21 é marcado pela democracia, a velocidade da tecnologia e a forte atuação da juventude, e não mais pelo domínio das elites tradicionais.

– É assim que os jovens estão conseguindo abalar o mundo, e não as conferências dos governos que, no fundo, não têm essa agilidade para mudanças – afirmou Suplicy.

O parlamentar disse acreditar que a sociedade tem falado e se preparado pouco para o que será discutido na Rio+20 e que os setores organizados já deveriam estar se mobilizando para questionar e dar contribuições à aprovação de ações efetivas para o futuro do planeta no evento.

– Precisamos construir um mundo mais solidário que competitivo, para conseguirmos levar avante este novo paradigma civilizatório que está nascendo, conforme ressalta a nossa querida Rose Marie Muraro. Caso contrário, se a Rio+20 e as revoltas dos jovens fracassarem, o planeta estará fadado a um triste destino, pois sem mudanças nas políticas ambientais as gerações futuras estarão comprometidas – avaliou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
11h13 Corrupção: a CAE aprovou, em decisão terminativa, o PLS 291/2014, que destina prioritariamente à educação os recursos públicos recuperados em ações de combate à corrupção. O projeto deverá seguir diretamente para a Câmara.
11h04 Imposto rural: com a aprovação do PLS 640/2015 pela CAE, o agricultor brasileiro poderá ter a opção de usar o Cadastro Ambiental Rural (CAR) para apuração da área tributável de sua propriedade rural, sobre a qual é calculado o imposto.
10h57 Caatinga: a inclusão de projetos de proteção da Caatinga entre as prioridades de aplicação de recursos do Fundo Nacional de Meio Ambiente, prevista no PLS 578/2015, foi aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).
Ver todas ›