Leilão de aeroportos: comissão quer explicações sobre os investimentos necessários

Da Redação | 09/02/2012, 14h29 - ATUALIZADO EM 19/02/2015, 20h21

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) encaminhará convite para que autoridades da aviação civil compareçam ao colegiado para prestar esclarecimentos a respeito do leilão dos aeroportos de Guarulhos e Viracopos, em São Paulo, e de Brasília. O propositor da audiência, senador Francisco Dornelles (PP-RJ), destacou o sucesso da privatização para o caixa do governo, mas disse que falta explicar como as operadoras vão conseguir investir nos terminais.

- Considero importante que se explique a esta comissão como será possível atingir a qualidade do serviço pretendida com os recursos que sobrarão após o pagamento ao governo - salientou.

No requerimento, o senador sugeriu convite apenas ao presidente da Infraero, Gustavo do Vale. Mas foram ainda aprovadas as sugestões da presidente da CI, senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), para que também estivesse presente a Secretaria da Aviação Civil da Presidência da República, e de Walter Pinheiro (PT-BA), para a participação da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac). Lúcia Vânia observou que a Secretaria teve participação direta na modelagem do leilão de privatização.

Dornelles registrou que o leilão foi um fato de grande relevância, propiciando ao governo uma arrecadação de cerca de R$ 24 bilhões. Disse ainda que o concessionário de Guarulhos terá de pagar ao governo 97% da receita líquida, enquanto o de Brasília transferirá 94%.

O senador Blairo Maggi (PR-MT) antecipou sua preocupação com a lógica que será adotada na questão das concessões do setor elétrico que estão para vencer. Segundo ele, o governo precisa saber se quer privatizar apenas para melhorar seu caixa ou para garantir a melhoria dos serviços para a população. Após ouvir outras manifestações de apoio, Dornelles observou que seria muito ruim ver empresas entrando em leilões apenas para ganhar e receber recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para depois pedir revisão dos contratos.

- Não estou dizendo que é isso o que vai ocorrer, mas quero saber como essa mágica [os investimentos] poderá ser feita - disse Dornelles.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
11h25 Burocracia: a CAE aprovou o PLS 286/2015, que amplia de R$ 1 milhão para R$ 10 milhões o patrimônio da companhia que não precisará mais publicar documentos exigidos pela Lei das Sociedades Anônimas (Lei 6.404/1976).
11h13 Corrupção: a CAE aprovou, em decisão terminativa, o PLS 291/2014, que destina prioritariamente à educação os recursos públicos recuperados em ações de combate à corrupção. O projeto deverá seguir diretamente para a Câmara.
11h04 Imposto rural: com a aprovação do PLS 640/2015 pela CAE, o agricultor brasileiro poderá ter a opção de usar o Cadastro Ambiental Rural (CAR) para apuração da área tributável de sua propriedade rural, sobre a qual é calculado o imposto.
Ver todas ›