Proprietária de agência de câmbio nega que tenha comprado dólares para o PT

Da Redação | 09/03/2006, 00h00 - ATUALIZADO EM 13/02/2015, 16h20

A dona da agência Havaí Câmbio e Turismo, Nelma Mitsue Penasso Kodama - mais conhecida como Nelma Cunha - negou nesta quinta-feira (9), em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos, que tenha operado ou comprado dólares para o PT durante a campanha eleitoral de 2002.

Para Antero Paes de Barros (PSDB-MT), Nelma Kodama compareceu à CPI dos Bingos "absolutamente preparada" para negar tudo. Mas com base em documentos em poder da comissão, o senador garantiu que ela movimentava dólares com várias operadoras, entre elas a Bônus-Banval que, como observou, é uma das operadoras do mensalão.

Antero também apresentou um documento, que se encontra em poder da CPI, dando conta de que a Havaí Câmbio e Turismo remeteu, no dia 14 de abril de 2002, US$ 130 mil para os Estados Unidos - valor depositado em uma conta denominada "digital" no Banco J. P. Morgan, com sede em Nova York. Apesar da prova documental, Nelma negou a remessa dos dólares.

No ano passado, em depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito dos Correios, o doleiro Antônio de Oliveira Claramunt - o Toninho da Barcelona -, que se encontra preso, declarou que Nelma, "conhecida doleira de Santo André", teria feito operações irregulares, em dólares, para o PT, entre 2000 a 2002, quando Celso Daniel era prefeito da cidade. Barcelona assegurou ainda que ela tinha estreito relacionamento com o PT. Nelma negou tudo, inclusive que tenha feito negócios com Toninho da Barcelona.

"Não conheço", "não sei", "nunca vi", foram as expressões mais usadas por Nelma ao longo do depoimento, que durou menos de 40 minutos - um dos mais curtos já registrados pela CPI dos Bingos. Ela assegurou que nunca operou para políticos e que jamais contribuiu para campanhas eleitorais.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: